CAPITALISMO DEPENDENTE E SUBDESENVOLVIMENTO NA OBRA DE FLORESTAN FERNANDES

Autores

  • Felipe Augusto DUARTE

Palavras-chave:

Capitalismo dependente, Subdesenvolvimento, Classes sociais

Resumo

Este artigo se concentra na apresentação da natureza, do sentido e do significado das categorias dependência e subdesenvolvimento, tal como elas são construídas na obra de Florestan Fernandes. A partir dessas categorias, o autor busca qualificar o tipo específico de capitalismo que emerge do próprio e peculiar circuito histórico-social de nações subdesenvolvidas que nasceram da invasão e conquista dos territórios de populações autóctones da América Latina no contexto da expansão do mundo ocidental. Procurando ressaltar a tese de Florestan, segundo a qual, embora a Nação se apresente como a unidade contextual e de referência para a análise do subdesenvolvimento, da dependência e dos correlatos padrões externos de dominação, o nervo operacional que vincula e ordena esses fenômenos são a estrutura e os dinamismos do regime de classes conformado por um modelo de dominação e de disputa pelo poder que estabelece os limites da luta de classes e, com ela, a lógica das mudanças sociais. Logo, é o caráter supranacional do modelo autocrático e compósito de dominação de classe, baseado em uma articulação de articulações entre os interesses das classes dominantes internas e externas, alicerçadas na repartição dupla do excedente econômico, o elemento que permite compreender como a dominação imperialista e a condição de dependência são o verso e o anverso da mesma moeda que caminham sempre com o intuito de melhor rentabilizar o subdesenvolvimento.

Biografia do Autor

Felipe Augusto DUARTE

Economista e mestre em Ciências Sociais, e-mail: fad.drp@gmail.com

Florestan Fernandes - Diego Umpierrez, nanquim

Downloads

Publicado

24-05-2022

Como Citar

DUARTE, F. A. CAPITALISMO DEPENDENTE E SUBDESENVOLVIMENTO NA OBRA DE FLORESTAN FERNANDES. Revista Mouro, [S. l.], v. 12, n. 15, 2022. Disponível em: https://revista.mouro.com.br/index.php/Revista_Mouro/article/view/17. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ